Sentido de dever

 

Este é o meu escudo
Levo-o comigo para a batalha
Mas não é apenas meu
Protege o meu irmão à esquerda
Protege a minha cidade
Tudo farei para que o meu irmão
Esteja sempre sobre a sua sombra
E que a minha cidade esteja sempre por ele protegida
Morrerei com o meu escudo
Olhando nos olhos o inimigo

3 responses to “Sentido de dever

  1. Sergio Paes da Motta e Albuquerque

    Esparta vivia para a guerra. Era também uma sociedade escravocrata e, muitas vezes, aos nossos contemporâneos olhos, cruel. Mas este poema é de uma imensa nobreza d’alma. Não é apenas vã exaltação da guerra e da morte, mas amor aos seus, a terra, a cidade natal. E estes são sentimentos universais, que são comuns a todos nós. Num certo sentido, somos todos descendentes dos 300 das Termópilas. É um privilégio q um dia nos será cobrado. Mais cedo ou mais tarde.

  2. Pena que tenhamos perdido grande parte desse sentimento de fraternidade entre os que partilham dessa mesma terra… Na verdade será que algum dia no Brasil nós já tivemos?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s